Da Redação



Omissão

13-03-2018

Quando conhecemos nossos deveres e nossas obrigações e deixamos de proceder conforme acusa nossa consciência, estamos cometendo uma das mais severas falhas em nossa vida, que se chama omissão. A omissão é quando sabemos de algo e fingimos desconhecimento; é quando conhecemos um problema e fazemos de conta que ele não existe ou não é conosco; é quando ouvimos um sussurro de ajuda mas fechamos nossos ouvidos.

Pedro, um dos primeiros apóstolos convocados por Jesus para acompanhá-lo, prometeu lealdade ao Mestre divino, mas falhou por três vezes seguidas quando lhe perguntaram se conhecia Jesus, quando este estava sendo conduzido à prisão. Sabia que não era correto o que estava fazendo, mas preferiu omitir-se naquele momento. Em seguida, chorou amargamente.

Assim procedemos nós, em determinados momentos da vida quando somos chamados para os nossos testemunhos, para os nossos compromissos e deveres.

Através da mediunidade de Chico Xavier, Emmanuel enviou-lhe a mensagem 'Omissão', que fala sobre a perda do maravilhoso tempo que nos é oferecido pelo Criador para que nos guiemos pelos caminhos do bem mantendo nossos sentimentos sempre alertas no sentido de poder colaborar com o nosso próximo sem que a sombra do arrependimento seja um espinho em nosso coração. 'Omissão':

"Asseveras não haver praticado o mal; contudo, reflete no bem que deixaste à distância.

Não permitas que a omissão se erga em teu caminho, por chaga irremediável.

Imagina-te à frente do amigo necessitado a quem podes favorecer.

Não te detenhas a examinar processos de auxílio.

É possível que amanhã não mais consigas vê-lo com os olhos da própria carne.

Supõe-te ao pé do companheiro sofredor, a quem desejas aliviar.

Não demores o socorro preciso.

É provável que o abraço de hoje seja o início de longo adeus.

Não adies o perdão, nem atrases a caridade.

Abençoa, de imediato, os que te firam com o rebenque da injúria, e ampara, sem condições, os que te comungam a experiência.

Se teus pais, fatigados de luta, são agora problemas em teu caminho, apóia-os com mais ternura.

Se teus filhos, intoxicados de ilusão, te impõem dores amargas, bendize-lhes a presença.

Se o trabalho espera por tuas mãos, arranja tempo para fazê-lo.

Se a concórdia te pede cooperação, não retardes o atendimento.

Não percas a divina oportunidade de estender a alegria.

Tudo o que enxergas, entre os homens, usando a visão física, é moldura passageira de almas e forças em movimento.

Faze, em cada minuto, o melhor que puderes.

Seja qual for a dificuldade, não desertes do amor que todos devemos uns aos outros. E se recebes, em troca, pedra e ódio, vinagre e fel, sorri e auxilia sempre, porque é possível estejas ainda hoje, na Terra, diante dos outros, ou os outros diante de ti pela última vez."



Voltar para a página anterior / Voltar para a página principal